Porão


Vídeos independentes de quem faz na raça. Skate purinho, por amor.

12.07.2020 HandcaMcz – Pedro Lima

Direto de Maceió, o alagoano Pedro Lima arrumou uma Handycam e, com a ajuda dos amigos, filmou uma vídeo parte bem boa. Jogou o material na mão do Fernando Gomes, que tem o projeto .SSALITRE., ele editou e mandou pra gente soltar, junto com fotos que ele fez e uma entrevista rápida com o Pedro, que faz arte fora do skate também. Temos muito orgulho de mostrar esse trampo pra vocês aqui. Pode mergulhar de cabeça:

 

 

Entrevista e fotos por Fernando Gomes:

 

Como foi o processo de filmagem desse vídeo? Quem tava junto contigo filmando e como essa filmadora handycam entrou na história?

Tudo começou quando um amigo próximo, Lucas Souza, comprou uma handycam para filmar nossos rolés. Saíamos para filmar sem pretensão, só colhendo material mesmo por diversão, até que ele se ausentou pra fazer outros corres e a câmera ficou na minha mão. Dei continuidade às filmagens com outro amigo, Thiago Germano, que inclusive também me fortalecia com algumas peças de skate. Continuamos filmando mas, dessa vez, com a ideia de lançar uma parte toda filmada aqui na minha cidade, Maceió. Era algo bem natural e eu também tava envolvido em outros projetos de skate na época, filmávamos quando dava, sem muito compromisso, durante uns 3 anos até eu mostrar esse material pra você em uma das minhas viagens a Salvador e, a partir daí, a parada realmente fluiu e saiu do papel.

 

 

porao_handcamcz_pedrolima_02

Pedro Lima. (Fernando Gomes) 

 

Como anda a cena do skate e da arte em Maceió? Existe um diálogo entre esses universos por aí?

A cena do skate e arte vão estar sempre ligadas onde quer que seja, a parada realmente anda de mãos dadas. Aqui em Maceió a gente lida com um certo atraso, mas tem muita gente boa da cena de ambas as partes fazendo acontecer e, geralmente, acabam sendo do mesmo rolé. Tenho um coletivo junto com minha mina que se chama L1vr3 Arte, que é tipo um blog em que somamos com outras pessoas e divulgamos nossos trampos autorais. Também fazemos parte de um outro coletivo/selo chamado Máquina Voadora Label com alguns amigos, voltado mais pra música alagoana. Nós já lançamos alguns discos e fizemos alguns eventos que ajudam a manter a cena viva por aqui. Inclusive, foi graças a esses coletivos que tive a oportunidade de fazer a minha primeira exposição solo chamada Arte Suja, que foi a porta de entrada para outras oportunidades que tive com meus projetos artísticos. A galera do skate também não tá parada, tenho alguns amigos que são fotógrafos e trampam com audiovisual que são do skate, que quando não estão trampando com outras coisas também estão produzindo para a cena aqui das áreas. Ano passado rolou um evento louco por aqui, com a première do vídeo Vera Arruda Life, que retrata o nosso pico DIY que fizemos como extensão de um dos picos clássicos do skate em Maceió, a Praça Vera Arruda. Roubamos a extensão e fizemos alguns obstáculos; hoje a extensão da praça se mantém viva graças aos skatistas que colam todo dia no pico. Se não fosse isso, seria mais uma praça morta e abandonada. Esse evento rolou no bar de um dos nossos amigos do skate e foi foda, levantou a cena novamente! Somos uma crew só que, apesar de não sermos de um lugar que seja o centro de tudo, a galera não deixa de fazer acontecer e faz a parada por puro amor.

 

 

porao_handcamcz_pedrolima_04

Bs heelflip. (Fernando Gomes) 

 

Como foi que você começou a produzir seus trampos de arte? Teve algo em especial que te influenciou?

Desde criança tive contato com arte em casa e na escola. Tive a sorte de estudar em uma escola em que eu tinha aulas de artes desde criancinha e isso me influenciou muito, desde cedo. Acredito que o ápice de tudo veio quando comecei a andar de skate; virei um nerd real, olhava sites e vídeos de skate todos os dias e comprava revistas sempre que dava. Percebi que o skate tinha muito a me oferecer além de manobras e as melhores amizades. O contato com a rua e com todos os meios que o skate me apresentava me chamava cada vez mais atenção, comecei a conhecer muitos artistas através das revistas, sites e rolés de skate. Nisso comecei a fazer colagem com as próprias revistas de skate e, com o tempo, fui me envolvendo cada vez mais com as duas coisas que foram seguindo o mesmo fluxo e, consequentemente, evoluindo muito no meu trabalho artístico que foi além do skate, mas que veio por muita influência dele também.

 

porao_handcamcz_pedrolima_03

Colagem. (Fernando Gomes)

 

Tem algo em especial do skate que te inspira nas artes e das artes que te inspira a andar de skate?

Com certeza, os dois meios me influenciam muito. Foi como tudo fluiu pra mim desde o início. O skate me mostrou e mostra muita influência artística nos vídeos, revistas, sites… E foi assim que me identifiquei cada vez mais com a arte. O Mind Field, vídeo da Alien Workshop, foi umas das referências mais fodas quando comecei a andar. A trilha sonora, as brisas durante as partes e os skatistas me influenciaram muito. A revista Vista também teve muita influência; ela nem chegava aqui em Maceió, eu olhava tudo pelo site e foi uma das revistas que mais curti acompanhar, sempre tinha umas artes e matérias com pessoas fodas. Tive também muita influência de skatistas aqui do nordeste. Inclusive, as minhas trips a Salvador sempre eram mágicas, sempre me conectei com as melhores pessoas de lá, voltava pra casa cheio de informação na cabeça e soltava tudo produzindo meus trampos. Salvador foi o lugar onde produzi meu primeiro trampo de arte, que foi um zine de colagens manuais chamado L1VR3 lançado num evento na Casa da Look, zine que veio por total influência sua, que já produzia zines e sabia de todas as manhas de como me ajudar a produzir um. As viagens de skate sempre me influenciaram e até hoje influenciam, o skate me tirou de uma bolha e, graças a ele, consigo explorar outros meios, que me fazem ser e fazer o que eu faço hoje.

 

 

porao_handcamcz_pedrolima_01

Gap to fastplant. (Fernando Gomes)

 

Share

05.07.2020 JahJahVideo

Pra movimentar a cena na Baixada Santista, em SP, e retribuir os bons momentos que o skate proporciona, o coletivo Bem JahJah e o videomaker Martin Quintairos fizeram o JahJahVideo, com a skatistaiada local. Mais uma produção independente que mantém o skate vivo por esse Brasilzão afora.

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

28.06.2020 Trinda em PB

Com imagens feitas entre 2012 e 2020, o vídeo de Gustavo Soares mostra várias fases e skatistas que passaram por esse pico já clássico de Floripa. Trinda Times é vida!

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

21.06.2020 Spine – O Coração da Pista

Em 2007, após vários anos lutando por uma pista, a segunda geração de skatistas de Francisco Morato, em São Paulo, conseguiu a atenção da prefeitura, que construiria a primeira skatepark da cidade e uma das maiores da região, com investimento do Governo Federal.

 

A partir daí, a história de várias pistas ao redor do Brasil se repete: projeto mal feito, frustração, obras paralisadas… Foi aí que os skatistas tomaram as rédeas e refizeram praticamente a pista toda, durante uns oito anos, pra tornar o espaço skatável.

 

O spine, última peça dessa luta, simboliza bem todo o trabalho e suor colocados ali pela comunidade da região. Tudo registrado pelo filmmaker Walter Albertin e equipe. Skate é isso!

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

14.06.2020 Sagüi

Sagüi é um macaco cuja população proliferou no Brasil. Enquanto alguns odeiam seus hábitos, eles, na verdade, são os que mais se divertem, roubando coisas e fazendo cocô em tudo que é lugar.

 

Os videomakers Theo Andrada e Leo Fonseca documentaram uma galera do Rio de Janeiro que nunca teve muito espaço na cena, além de alguns amigos europeus, e mandaram pra gente mostrar pra vocês! Segura aí o Sagüi!

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

07.06.2020 Mateus Toco – VP2020

De Criciúma – SC, Mateus Toco solta sua VP2020, que imaginamos que signifique Vídeo Parte 2020. Mais uma produção independente, dessa vez chegando do sul do Brasa!

 

Share

31.05.2020 Inquest

Mais uma produção independente saindo do Porão! Inquest é um vídeo do goiano Gabriel Bagata, produzido entre 2016 e 2018, com sua VX comprada do Bruno Arruda – aquela velha rede de compra e venda do skate nacional. O vídeo foi todo filmado em Goiás e tem partes de Leonardo Amorim, Frederico Rodrigues, Yago Gomes, Murilo Gomes, Lucas Ramos e Ythalo Portela. Mais uma direto de Goiânia… Ô lugar!

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

24.05.2020 Jean Santos e Ricardo Bure – Keep It Real

Vídeo parte de Jean Santos e Ricardo Bure, filmada em vários picos de São Paulo e Barcelona. Rua pura!

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

17.05.2020 I´m Leão – Elvis Rafael

Domingo é dia de Porão, e hoje é dia de vídeo parte! Elvis Rafael, também conhecido como Leão, soltando as tricks pela Switch Skate Shop, de Ribeirão Preto – SP. Segura!

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

10.05.2020 Low Tech

O fotógrafo e videomaker João Coelho gravou o Low Tech entre 2017 e 2019, em RJ e SP, com os amigos. Além de filmar, ele também editou e compôs a trilha; produção independente do jeito mais independente possível. Ele mandou pra gente, e a gente mostra agora pra vocês.

 

 

Se você tem alguma produção independente pra soltar no mundo, manda pra gente dar uma olhada no e-mail porao@blackmediaskate.com!

Share

03.05.2020 Concreto

Estreando seção nova aqui na Black Media! “Porão” é onde vamos soltar vídeos independentes, de quem faz na raça e, por algum motivo, nós achamos que mais gente deveria ver. Concreto chegou até a gente pelo Klaus Bohms, que recebeu o vídeo pelo seu recém lançado podcast, o Café no Klaus.

 

Jan Yuri mora em Santa Cruz de Minas (considerado o menor município do Brasil), anda há uns 20 anos de skate e sempre filmou com os amigos, nas condições mais cruas possíveis. Uma cidade pacata do interior, sem pista de skate, é o retrato fiel de muita gente pelo país afora, que anda de skate por amor e mais nada. Essas imagens estavam guardadas, até que alguns amigos sugeriram usá-las pra que ele falasse um pouco sobre o que o skate representa na vida dele. Tá aí o resultado, sincero e muito representativo.

 

Share