Black Room - 06.03.2015 Ricardo Dexter


Ele é parado na rua, no meio da sessão, pra dar autógrafo. Seu pedido de profissionalização foi negado neste começo de ano pela CBSK. Ricardo Dexter está prestes a soltar sua primeira vídeo parte, e aproveitamos a onda para fazer meia dúzia de perguntas cretinas e reunir algumas fotos desse jovem pro-blemático.  

 

introdução e entrevista por Marcelo Mug

 

Ricardo Dexter. (Raphael Kumbrevicius)

Foto: Raphael Kumbrevicius

 

Vamos começar daquele jeito. A CBSK negou seu pedido de profissionalização esse ano. Você ficou puto? Algum rancor? Engoliu seco?

Hahaha! Boa! Na verdade, entrei com esse ”pedido de profissionalização” por respeito à entidade CBSK mas, da mesma forma que recebi a notícia, ela foi ignorada tanto por mim quanto pelos meus patrocinadores. Talvez eles esperassem que eu chorasse e me sentisse um merda, mas pelo contrário. Foi motivo de risada e uma rodada a mais de cerveja!

 

Ricardo Dexter, fs smith. (Marcelo Mug)

Fs smith. (Marcelo Mug)

 

Por que só agora, depois de tanto tempo, lançar uma vídeo parte?

Na verdade, sempre quis fazer uma vídeo parte, acho muito importante para qualquer skatista, independente de ser profissional ou amador, para realmente sentir na pele o quanto é foda fazer uma parte aqui no Brasil. Não é algo que só depende de você, e sim de um filmer que esteja na mesma disposição que você. É realmente um esforço físico e também  mental. Demorou um tempo para eu cair na real e pensar:  ”Por que fazer uma parte?”. Na verdade, com a caída das mídias impressas fui cada vez fazendo mais vídeos pra internet, principalmente para a Black Media, aí você vai vendo o quanto é legal filmar. Como já estava em um projeto para me profissionalizar, queria fazer algo junto com isso.

 

Ricardo Dexter. (Marcelo Mug)

Foto: Marcelo Mug

 

Ricardo Dexter, fs fifty. (Marcelo Mug)

Fs fifty. (Marcelo Mug)

 

Como foi toda a produção pra filmar essa parte? Patronagem total, viagem para Europa e o caralho a quatro, ou guerreragem pura, “vamo que vamo que uma hora sai”?

Quase isso, 70% de raça. Comecei a filmar com um amigo meu, o Alan, mas a gente não sabia direito pra quê estava filmando. Ele estava aprendendo a filmar e a gente sempre saía na sessão e voltava com uma coisa ou outra, mas nada tão relevante. Um dia, na sessão com o fotografo Alan Carvalho, ele trouxe um amigo para filmar, o João. Fizemos umas duas sessões e já troquei essa ideia de começar a filmar uma parte com ele, que topou na hora. Começamos meio sem saber o porquê, ai falei desse lance de passar para profissional e já soltar o vídeo junto. Isso durou oito meses. Viajamos pouco; queria filmar bastante aqui em São Paulo, mas também fomos para Florianópolis, Curitiba, Brasília e interior de São Paulo. Mas onde mais rendeu foi aqui em São Paulo mesmo.

 

Ricardo Dexter. (Marcelo Mug)

Foto: Marcelo Mug. 

 

Ricardo Dexter, bs feeble. (Raphael Kumbrevicius)

Bs feeble. (Raphael Kumbrevicius) 

 

Você que sente na pele todo dia isso: qual o lado bom e o ruim de aparecer na MTV e ficar “famoso”?

Grana, fama, limousine! Hahahaha! Nada disso! A aparição na MTV foi animal; eu nem tinha noção do que era ter esse reconhecimento. Foi uma coisa muito boa e positiva na maioria das vezes. Outras vezes te tacham como personagem de TV, mas antes disso veio o skate. A parada da MTV só rolou pelo skate. Levar o skate para a TV do modo que eu podia é muito foda; mostrar que o skate não é coisa de coxa e sim botar fogo, quebrar tudo sem regras.

 

Ricardo Dexter, bs noseblunt. (Raphael Kumbrevicius)

Bs noseblunt. (Raphael Kumbrevicius)

 

Como rolou a parceria com a Bolovo pra eles editarem essa vídeo parte? Você passou no teste do sofá com o Lucas?

Quando começei a filmar, não sabia quem ia editar. Queria alguém de fora do skate para tentar algo diferente, aí pensei no Lucas. Sempre acompanhei os trabalhos de edição do cara e realmente sempre achei foda! Cheguei um dia e troquei essa ideia com ele, e na hora ele respondeu: ”claro”, e foi da hora. Em cima disso, o Deco colocou o conceito no vídeo, as ideias do Leite, Salvador Dalí, etc… Ou seja, coisas de intelectual que eu jamais saberia. Deixei na mão deles o conceito. Agora: teste? Sofá? Jamais, seus pederastas! Hahahahaha!

 

Ricardo Dexter, fs smith. (Alan Carvalho)

Fs smith. (Alan Carvalho)

 

Sério, numa boa: você tem problema? Qual o seu problema?

E como tenho! Se fosse um, estava ótimo. Por onde começar? Físico? Mental? Espiritual? Hahahahaha!

 

Quer falar alguma baboseira, recitar uma poesia ou cobrar alguém que te deve uma grana?

Em primeiro lugar, obrigado à equipe Black Media pelo espaço. Ao skate que me faz feliz, minha família que me dá estrutura mental para poder andar de skate, e meus patrocínios pela estrutura financeira e material. ”Não faças mal, também não espere o bem”.

 

Ricardo Dexter, bs wallride. (Alan Carvalho)

Bs wallride. (Alan Carvalho)

Share