Black Room - 08.01.2017 Not Landed - Parte 2


Bem no começo do Black Media, resolvi soltar algumas fotos de manobras não voltadas, no post Not Landed. Foi legal, teve uma boa repercussão.

 

Sempre penso nessas fotos que acho legais e ficam esquecidas no HD, muita coisa se perde. Um fotógrafo sério de skate sabe que essas fotos não devem ser usadas; alguns amigos nem arquivam essas imagens, simplesmente deletam após uma sessão mal sucedida. Cada foto tem a sua história, muitas coisas podem acontecer na sessão: o cara pode se machucar, a polícia chegar, segurança cuzão, enfim, milhões de oportunidades de dar merda. Acho legal contar a história de cada foto e pensar como poderia ter dado certo, que o cara poderia ter acertado a manobra e que vocês veriam essas fotos com outros olhos. Mas não é esse o caso! Hahaha!

 

texto e fotos por Caetano Oliveira

 

Alex Lekinho - Fs grind (Caetano Oliveira) - Not Landed

Alex Lekinho, fs grind.

 

Nesse dia estávamos andando em um pico de Santo André e o Lequinho viu essa grind, da altura de um anão grande, e resolveu encarar. Era uma grade bem alta; ele tinha voltado um fifty e já estava de bom tamanho. Mas foi tentar o grind e acabou tomando um tombo daqueles em que a perna passa, acabou traumatizando o menino e foi embora só com o fifão mesmo. Pouco tempo depois, o fifty foi publicado em uma finada revista.

 

Bruno Kbelo, ollie (Caetano Oliveira) - Not Landed

Bruno Kbelo, ollie.

 

Estávamos numa famosa churrascaria de Curitiba, conhecida pelo cano alto na lateral, onde o Gheraldini deu bs fifty e o Renato Souza crooked. O Bruno resolveu pular esse arbusto africano que era praticamente da mesma altura dele. Tentou algumas e fiz esse moment. Fiquei pilhando ele pra voltar a trick, mas ele acabou torcendo o tornozelo e ficando incapacitado. Fiquei triste porque curto essa foto.

 

Fabio Gheraldini, bs lip (Caetano Oliveira) - Not Landed

Fabio Gheraldini, bs lip.

 

Esse mercado fica na Vila Madalena, em São Paulo, e já apareceu no Night in The Life do Kaue Cossa. As pessoas que moram no prédio ao lado odeiam skate, jogam ovos em quem vai andar no pico. O Fabio já tinha voltado umas lá, e queria o bs lip. Estávamos vindo de um outro pico e ele estava morto de cansaço, aí acabou adiando a volta do bs lip. Mas o mercado sofreu uma reforma, e o pico não existe mais.

 

Pedro Biagio, bs fifty (Caetano Oliveira) Not Landed

Pedro Biagio, bs fifty.

 

Já levei uma galera pra andar nesse pico e poucos tentaram. Nunca consegui fazer uma foto de acerto nesse pico. Esse dia estava com o Pedrinho e ele tentou bastante. Estava quase voltando a trick, mas começou a chover e teve que desistir. Se tivesse acertado, teria que enfrentar uma ladeira cabreira na saída do corrimão. Pico para poucos; quem sabe um dia a gente volta lá.

 

JP Dantas, nollie heelflip (Caetano Oliveira) Not Landed

J.P. Dantas, nollie heelflip.

 

Sessão noturna com o Bacon Lover, e nada de acertar a trick. Tudo preparado e bonitinho, com gerador, Rodrigo Bocão no rec, segurança, assistente passando massa plástica no chão de volta, cafezinho, faltava só acertar a porra do nollie heel. Tem dias em que o mar não está pra peixe e é absolutamente normal o cara não conseguir acertar. Foi por pouco, acabou ficando pra depois e aí… Nunca mais.

 

Leo Fernandes, ollie (Caetano Oliveira ) Not Landed

Leo Fernandes, ollie.

 

Que o Leo tem o pop de cavalo todo mundo sabe, mas esse pico era inacreditavelmente alto. Não sei se mais alguém tentou pular no sentido contrário, mas é cabreiro demais. Nessa noite eu tinha feito a foto, e tava querendo muito que ele voltasse pra gente usar ela na entrevista que saiu no Black Media. Ele tentou bastante, mas o muro acabou vencendo e voltamos frustrados para casa. Tenho raiva dessa foto, seria um feito e tanto.

 

Rodrigo Maizena, crooked (Caetano Oliveira) Not Landed

Rodrigo Maizena, crooked.

 

Esse dia foi foda. A gente estava procurando picos em São Bernardo do Campo. Eu tinha falado pro Maizena que tinha vários no ABC e ele veio com a banca de Carapicuíba, na pegada. Quando chegou não estava gostando de nenhum que eu mostrava, a situação estava tensa… Já chegaram a ver o tamanho da mão do caba? Eu sabia desse pico inóspito e resolvi mostrar. De tanto eu encher o saco, ele começou a tentar. O cano é muito alto e nunca vi ninguém andando ali. O Arame tinha andado em um na mesma praça, usando uma rampa de madeira, o que já era cabreiro. Estávamos no meio das tentativas quando começaram a passar uns caras de moto, encarando a gente. Passaram uma vez e olharam. Passaram de novo e ficou complicado… Quando ouvimos o barulho de novo eu já estava cagando na calça com os tripés na mão e indo em direção ao carro. Nem a mão gigantesca dele livraria a gente dos tiros e perda dos equipamentos. Saímos fora pra outro pico e acabou rendendo por lá. Pelo menos, não voltamos pra casa com o cartão de memória vazio.

Share