Jetlag - 29.07.2013 Richie Jackson


Mais uma entrevista traduzida da Jenkem. Desta vez, Richie Jackson, o cara que parece ter saído direto da capa do Sgt. Pepper´s Lonely Hearts Club Band e tem um dos estilos mais loucos e facilmente reconhecidos do mundo.

 

Drogas, religião, um sistema maluco de criar manobras, barba e energéticos. Leia a entrevista feita pelo Ian Michna e traduzida, com exclusividade, pela Black Media (nós mesmos)!

 

introdução e tradução por Felipe Minozzi (Fel) / entrevista por Ian Michna 

 

Reprodução / Instagram @thefeatch

 

Você acha que as drogas psicodélicas podem melhorar o skate de alguém?

 

Com certeza, sim. Veja o Tom Penny, por exemplo. A época em que ele tinha mais controle e estava mais conectado com sua habilidade era, supostamente, abastecida por cogumelos mágicos.

 

Essa história é verdade mesmo?

 

Ah, é sim! Sabe aqueles vídeos quando ele andava nos corrimãos de 12 degraus? Onde mandou o switch flip? Pela lenda, ele estava nos cogumelos – espero que seja verdade. Penny tinha aquela coisa de sábio. Posso ver claramente ele se refugiando em um canto da sua própria mente onde tudo aquilo era possível e o resto desabava. Isso meio que faz sentido pra mim.

 

Quantas drogas você toma de verdade?

 

Aí que tá. As pessoas decidem o quanto de drogas eu consumo. Eu não tenho absolutamente nada a dizer sobre isso. A realidade não tem relação nenhuma com o que ninguém pensa. Cada um vai ter sua própria opinião mesmo.

 

O que você acha da maconha ser cada vez mais legalizada?

 

A legalizacão da maconha é fantástica. Eu nem fumo, o que é bem desapontador pra qualquer um que chega e fala: “Ei, chega aí, vamos fumar um baseado!” Mas eu sempre agradeço o convite. É fantástico que está sendo descriminalizado.

 

Você deve ouvir isso todo dia…

 

Sim. Quer dizer, eu sou o culpado por isso. Maconha todo dia não funciona com a minha composição neurológica. Mas eu já fiz isso e cresci muito. Acho que é uma coisa da idade. Tem uma idade que isso é a melhor coisa que você pode fazer.

 

 

O seu sistema de inventar manobras novas através do som é verdade ou uma bela mentira?

 

É verdade. Você só fica limitado porque o visual te distrai de inventar coisas novas. Porque você sabe como é um flip, um 360 flip. Aí você tira a imagem de um vídeo de skate e só escuta o som; é disso que as pessoas falam quando dizem que o rádio é melhor que a TV, você usa sua imaginação. É exatamente a mesma coisa. Você é forçado a usar a imaginação porque não está vendo a manobra, está só ouvindo.

 

Você já sonhou que fazia uma manobra que não conseguia e, quando acordou, descobriu que conseguia?

 

Sim, isso é real. Acontece. Acho que são dicas inconscientes do cérebro. Você já percebeu que fica melhor numa manobra quando não dá ela?

 

Certo… É como se o cérebro tentasse te alcançar?

 

É, pode demorar meses. Você pode ter o bs smith mais porcaria, um lixo. Se você deixá-lo quieto por uns quatro meses, de repente vai mandar e vai ser tipo: “Uau, isso é muito mais fácil e agora eu consigo mandar.” É como se o aprendizado acontecesse quando você não está aprendendo. É muito estranho.

 

O que você usa pra dormir? Boxer? Cuequinha?

 

Nem fudendo. Eu durmo pelado.

 

E se estiver na casa de um amigo?

 

Eu finjo que vou dormir de cueca boxer, tiro e durmo pelado mesmo.

 

Reprodução / Instagram @thefeatch

 

Com que frequência você toma banho?

 

Todo dia. Isso cai junto com oq eu falei antes sobre imaginação. A internet, obviamente, não tem cheiro, então você é forçado a inventar o seu. Ocasionalmente, pessoas que eu nunca encontrei fazem comentários sobre meu cheiro, e isso é algo que me preocupa, pois eu faço todo tipo de esforço pra cheirar bem! Tenho vários tipo de colônia de baunilha e faço tudo que posso pro meu cheiro ficar bom. Uma pena que tanto esforço seja pra nada, porque vários caras de cabelo comprido fedem, e eu acabo associado a isso.

 

Como a sua barba, você tem algum tipo de penteado especial pros pentelhos?

 

Sim. Por achar que sou a encarnação atual de um arcanjo, eu depilo meus pelos pubianos em forma de pentagrama. Isso garante, de acordo com o plano de Lúcifer, que as minhas sementes deem a luz ao exército de satã, desencadeando o inferno na superfície da Terra.

 

Você se preocuparia se alguma foto sua, de antes de você se vestir todo estranho, vazasse na internet?

 

Eu até postei uma dessas no meu Instagram. Quero dizer, pô… Nós vamos mesmo fingir que nos vestimos assim desde crianças? Não faz sentido. Acho que legendei a foto com “imitando o maior retardado do rock, Sid Vicious, aos 16 anos.” Antes disso, eu me vestia como Josh Kalis. Teve uma evolução do Kalis até o Sid Vicious; foi bem hilário.

 

O que você acha das pessoas te comparando com o Sr. Jereme Rogers?

 

Ah, é uma das maiores honras. J. Casanova, que fenômeno!

 

Coisa boa!

 

Isso é uma das coisas que as pessoas não sabem sobre Jereme, porque tem muita piada e ódio na parada. A realidade é que o cara ganhou o respeito na indústria e, independente do que ele anda fazendo agora, esse respeito conquistado continua nos olhos dos outros pros. Quando eu o vi na casa do Colin McKay com os outros pros, vi que existe um respeito entre eles, e acho que as pessoas não sabem disso. Acho que todo mundo se surpreenderia com o respeito que ele tem.

 

 

Você é anti-religião?

 

Bom, é o seguinte: eu nunca liguei pra nenhum dos lados. O motivo pelo qual eu me importo agora, pelo qual eu tenho qualquer paixão pelo ateísmo é que houve um período em que, através das drogas psicodélicas ou procuras, eu quase me tornei religioso. Quase! Eu pensei seriamente sobre tudo aquilo pela primeira vez. Aí eu percebi no que estava me metendo e a consciência crítica bateu de volta, e eu fiquei: “Que porra é essa?” Então, por quase ter me tornado religioso, agora me sinto exatamente o contrário. Não existe ilusão mais linda do que a de que você é incondicionalmente amado por um avô cósmico gigante e imortal. Quero dizer, é a mais ultrajante e conveniente das fantasias.

 

Você parece conhecer bastante de vários assuntos: biologia, religião, filosofia, evolução… Você realmente lê ou estuda esses assuntos? Você já fez faculdade ou alguma outra coisa depois da escola?

 

Tenho um grande interesse nesses assuntos, mas nunca me interessei pela escola. Eu lembro de um momento numa aula de biologia quando eu consegui entender o processo de seleção natural pela primeira vez, e senti a beleza do entendimento proveniente da ciência. Além disso, sempre achei a escola muito pobre. Alguns caras da SLAP já me descreveram como um pseudo-intelectual e acho que sou isso mesmo. Eu leio sobre o que me interessa e sempre tive um fascínio inerente com o universo e nosso lugar nele. Eu me esforçaria em fazer alguma contribuição acadêmica para o mundo, mas a parte da minha mente que coloca o skate em primeiro lugar persiste. Fui pra escola Mosman em Sydney, e o skate era totalmente desencorajado lá, todo dia. Olhando pra trás, acho que foi isso que me aproximou ainda mais dele.

 

Nunca tive um boletim bom… Um pedaço de papel dizendo que você fez o que era esperado de você… Que porra de recompensa é essa? Eu sõ me senti satisfeito fazendo a única coisa que a escola me dizia para não fazer.

 

Se te oferecessem um contrato bem grande com uma marca de energéticos, você pegaria?

 

Sim.

 

Qual o segredo da felicidade?

 

Assinar aquele contrato com a marca de energéticos e ganhar muito dinheiro.

 

 

Entrevista por Ian Michna

tradução por Felipe Minozzi (Fel)

Artigo original

 

Thanks again, Jenkem Mag!

 

(curta nossa fanpage no Faceboga pra não perder mais nenhuma)

Share