Black Room - 24.03.2014 Shin Shikuma


Eu sou suspeito pra falar sobre Shin Shikuma. Já via e adorava as fotos dele há muito tempo quando, do nada, me vi trabalhando com o cara. O gosto por cinema, por skate, o espírito crítico e as opiniões enérgicas nos tornaram amigos.

 

Se você não conhece o trabalho do mestre Shin, que tem seus 30 anos de skate, só pode ser um new generation! Pra mim, esse aqui é o melhor Black Room que a gente já fez. Até eu, que não manjo muita coisa de foto, consigo ver os anos de experiência em cada uma delas, em cada ângulo. E tem uma das fotos mais legais que eu já vi: a do cara morto no elevador.

 

Com vocês, um pedaço vivo da história do skate brasileiro: Shin Fuckin´ Shikuma.

 

introdução por Felipe Minozzi (Fel) / fotos e texto por Shin Shikuma

 

1 – Uma foto PB

 

A Volta dos Mortos-Vivos, com Daniel Trigo, feita na Av. Ipiranga na década de 80. Já tinha essa ideia na cabeça; queria uma foto meio “terror”, noite e luzes… Eu e o Daniel fizemos várias nesse dia, e fechamos com essa.

 

2 – Uma foto analógica

 

Pipe, com Bruno Brown. Essa foto foi a minha primeira de pipe. Cheguei no local e o Bruno também chegou sem combinarmos nada. Nos conhecemos esse dia, sem muito papo, e assim rolou, pra sempre. O equipo era uma Nikon FM2 com lente 20mm/2.8, filme Tri-X 400 e flash National (sinto muita falta).

 

3 – Um retrato

 

Ragueb Rogerio. Foi inspirado na capa do álbum Face to Face. Queria a mesma atitude , a mesma revolta, mas com o skate participando. Acho que captei o espírito daquele momento do Ragueb.

 

4 – Uma foto com luz natural

 

Wall Ride, com Adelmo Jr. Foi feita num ditch da Califórnia. Pra mim, essa foto traduz muito do que é essencial no skate. Sem a energia  inspiradora de Adelmo, não seria possível expressar tudo isso.

 

 

5 – Uma foto de celular

 

Não tenho nada significativo.

 

 

6 – Primeira foto publicada

 

Tony Magnusson. Essa eu considero a primeira no skate. Com ela, me tornei fotógrafo de skate, mudei o ponto de vista egocêntrico da manobra e captei o contexto todo. Ato consciente que deixou para a posteridade um momento pra muitas análises.

 

7 – Uma foto de fora do mundo do skate

 

“Acerto de Contas”. Foi feita na época do Notícias Populares. Com certeza, a experiência do “olhar” do skate contribuiu na captação dessa cena de morte. Subi numa beirada da escada e, com a fisheye, descrevi a trajetória do sangue escorrendo escada abaixo… Frio e mórbido.

 

8 – Uma sequência

 

“Rafael Finha debaixo do viaduto”. Certos momentos precisam vir acompanhados de uma sequência, como um bônus pra provar como foi feito. Esse wallride  foi uma das mais pesadas que fotografei e virou capa de revista. A velocidade e a intensidade que foram aplicadas nessa empreitada só pode vir de alguém que vive o skate intensamente. Esse cara, que tem todo o meu respeito, é o Finha.

 

 

9 – Um auto-retrato

 

Escolhi uma foto que fiz recentemente. Estou num momento em que olho pra trás e vejo que já percorri um tanto, olho pra frente e não vejo esse tanto… (risos). Isso, de alguma forma, se traduz em um rosto, que carrega uma história com suas verdades e mentiras. Me posicionei, olhei de uma forma simples e direta e dei um click.

 

9 – Uma foto inédita

 

Vou ficar devendo. A retomada está apenas começando…

 

[GALERIA] – Veja as fotos em tamanho maior clicando no canto superior direito.

Share